quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Erros Gráficos

É engraçado, porém reflete o analfabetismo de nossa população.
Nesta época de eleição, presenciamos nossos políticos fazendo promessas para resolverem esse problema, com a construção de escolas, aumento dos salários dos professores, erradicação do trabalho infantil. Mas a realidade é outra.
Em todo o país, podemos encontrar meninos e meninas que trocam a escola e as brincadeiras por jornadas de trabalho de até 12 horas/dia, em atividades muitas vezes perigosas, sem receber sequer um salário mínimo. Mesmo sendo ilegal, a exploração da mão-de-obra infantil prolifera-se nas cidades e, principalmente, na zona rural, onde o quadro é ainda mais grave. São nas carvoarias do Centro-Oeste e em regiões como a canavieira, na Zona da Mata de Pernambuco, e a produtora de sisal, no interior da Bahia, que se encontram os mais altos índices conhecidos de exploração da mão-de-obra infantil; nessas áreas, são encontradas crianças que trabalham a partir dos 5 anos de idade.
Os reflexos deste analfabetismo são as “beldades” que encontramos diariamente na comunicação urbana.
Um exemplo do que se pode fazer é o “soletrando” do programa Caldeirão do Huck, que promove uma competição entre alunos de escolas públicas, de conhecimento da língua portuguesa, fazendo com que todas as comunidades tenham interresse e motivem suas crianças a estudarem e participarem da disputa.
E você, o que esta fazendo?


Luciano Almeida

24 comentários:

Arthur Lemos disse...

Concordo com o Luciano quando ele diz que estas "beldades" não são engraçadas.
Porem, estes erros gráficos são mais frequentes nas micro-micro pequenas empresas (autônomos, vendinhas, etc...). -Trazendo a polêmica para termos comunicativos*- Pior, é quando nos deparamos com um anúncio de uma empresa de pequeno/médio porte com estes erros.
Acho que estes vem acontecendo por uma junçao de fatores: Primeiro, se descobriu o MKT como uma excelente ferramente para o crescimento das empresas. E segundo, com a evolução ininterrupta da internet, cada vez mais as pessoas estão esquecendo a importância de uma boa Gramática. Quando pensamos em erros gráficos, as imagens que nos vêm a cabeça são muito parecidas com as postadas pelo Luciano. Mas mais uma vez destaco; "Quem nunca viu um erro gráfico em um jornal? Panfleto? Revista? Fachada?
Enfim, me pareçe que estamos degredindo, e com isso, compartilhando o "luxo" de cometer estas beldades*. Precisamos acordar, e adquirir preocupação onde hoje existe risadas...

Palavras de Hermes disse...

Acredito que o tema que o Luciano aborda é bem complexo, ainda mais por pegar dois extremos da comunicação, quando se refere ao uma empresa, realmente o que se pede é que se escreva dentro de uma norma culta, mas o que estamos também cansados de ver são erros de ortografia propositais para “chamar atenção” ou “parecer” que a empresa é mais descolada.
Em contra partida quando estamos falando de crianças com uma realidade totalmente diferente, não devemos ver elas como umas “beldades”, mas sim como um reflexo da sociedade em que eles vivem. Se essa criança que vai para o Soletrando tivesse estudado toda sua vida num CBV da vida, será que ela estaria soletrando melhor? Então por analogia todas as crianças de escolas particulares sempre tiram 10 em redação.
Acredito que a sociedade já esta bitolada a ver sempre as mesmas típicas soluções para os mesmos problemas sem antes analisar tudo com uma visão mais ampla. Temos de ser mais realista e não achar que os problemas vão ser resolvidos apenas atacando um ponto, quando sabemos que o problema surge através de uma sucessão de erros.
Então respondendo a pergunta do fim do texto de Luciano: O que eu estou fazendo é tentando ver os problemas de uma forma diferente da que a sociedade vem pensando, estou tentando ter uma opinião ao invés de aceitar o que alguém já pensou e apenas concordar.

Por Bruno Ricardo

comunicacao e conflito disse...

Esse assunto é muito delicado mesmo, o problema é que ninguém faz nada, só se vê os defeitos, os problemas; as críticas são muitas, mas se todo mundo fizesse um pouquinho, cada um de nós, mas não. Só existe defeitos nesse Brasil, a pobreza esta tomando conta, a criminalidade aumentando a cada dia que passa, os políticos com suas promessas sem fim....
Se cada um de nós fizer alguma coisa, tenho certeza que começa a mudar, por exemplo: Alguém ajuda alguma instituição, alguém se disponibiliza em se doar uns minutinhos e juntar algumas roupas, comida e entregar para quem precisa realmente, sem desperdiçar, ou até mesmo lutar por alguma causa justa para poder tentar começar a mudar esse Brasil. É muito facil criticar, ou então colocar a culpa nos outros, começe por você e verá que não "tirará pedaço nenhum" de você.

Mauricio (A influência dos MCM) disse...

Concordo com os fatos citados pelos colegas, que o Brasil não investe em educação, que existem crianças que trocam o saber pelo trabalho, para poderem se alimentar e sustentar suas famílias. Mas o que dizer das pessoas “Letradas” pessoas que tem acesso à informação? Como explicar o fato de alunos de escolas particulares, cometerem erros iguais ou até piores dos que os mostrados acima?
O hábito da leitura é a resposta, quem lê bem escreve bem, os jovens devem ser incentivados a ler mais, pois como se sabe muitos deles só tem contato com os livros indicados pela escola, os famosos “Paradidáticos” que são importantes, mas não o bastante, o governo deveria incentivar mais a leitura, reduzindo os impostos sobre os livros para que fiquem mais acessíveis pela população.

Pense nisso: Se você levar 5 min. para ler uma página de um livro qualquer, e reservar 30 min. por dia, você lerá 6 páginas por dia e isso levará a um total de 180 páginas por mês. (um livro médio).

vaneska disse...

Realmente Luciano a sociedade faz muito pouco no que diz respeito à educação das crianças e jovens e uma das primeiras atitudes para uma boa educação é o desenvolvimento logo cedo da comunicação escrita em sala de aula e em casa. Uma boa comunicação escrita como bem a professora Patrícia nos passou em sala é aquela que obedece as regras gramaticais, procura clareza, agrada o leitor, gera feedback e consegue obter a resposta esperada. Esses erros gráficos fazem muita diferença quando se pretende passar uma informação ou conseguir sucesso com um determinado produto. Assim, empresas como essas que estão nas fotos, dificilmente conseguiram persuadir seus clientes.

Kevin Corcino disse...

Para nossa infelicidade, vivemos em um país onde a iniciativa privada tem que também fazer o papel do governo. Pagamos impostos absurdamente altos para segurança, educação e saúde! Mas temos que contratar empresas de segurança para tomar conta dos nossos lares, temos que pagar por escolas/universidades para uma educação e planos de saúde! A falta de competência em cada gestão de cada governo nos deixa com o resultado atual!! onde nós mesmos temos que procurar dar uma assistência e ajudar de alguma forma para minimizar os impactos negativos da incompetência dos nossos lideres!

No caso da educação nesse país o trabalho tem que ser abordado por diversos outros aspectos, a solução, em minha opinião, não é só fazer escolas e sim dar uma condição que as crianças fiquem na escola e uma vez lá, ter qualidade! dar a população marginalizada uma oportunidade de crescimento! O problema da educação tem que ser abordado junto com o problema da pobreza e falta de segurança!

Quanto ao quesito colégio público ou particular é bem específico, existem alunos em colégios públicos que são mais estudiosos e inteligentes do que alunos de escola particular e vice-versa. Entra ai o interesse e dedicação de cada pessoa! defendo sim, que tanto o da rede pública quanto da particular tenham as mesmas oportunidades de crescimento.

Professora Patricia disse...

Temos algumas situações quando tratamos de comunicação urbana. Temos a poluição visual, temos a responsabilidade das organizações ao publicar suas mensagens e temos a população publicando e comunicando a todo momento. O texto de Luciano nos traz o problema de base, de indigentes comunicacionais formados diariamente nas ruas e mesmo nas escolas, com a falta de obrigatoriedade da leitura e da escrita.

Comunicação & Tecnoligia disse...

A ignorância do povo brasileiro é realmente uma interessante problemática. Acho que vale ressaltar que o programa bolsa escola é um exemplo muito bom de incentivo aos estudos para famílias carentes. Isso porque, não basta apenas tirar as crianças da rua sem oferecer o mínimo de recursos para mantê-las na escola.
Uma vez que retiramos uma criança da rua e pomos na escola sem um acompanhamento de seu progresso e sem uma compensação a familia, não estaremos garantindo que ela permanecerá estudando.
Portanto é preciso oferecer condições à família do menor para que não sintam a necessidade de repor o mesmo na rua para voltar a contribuir com a mísera renda como fazia antes.

ASS.: Tiago Silva

Ponto de Partida 5 - Seu diferêncial começa aqui! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ponto de Partida 5 - Seu diferêncial começa aqui! disse...

Sem dúvida meu amigo Luciano!

São Claras e muitas as dificuldades e/ou deficiências da nossa educação.

Uma grande parcela de culpa dessa educação defasada no nosso país, é dos governantes. Que não investem corretamente seus recursos(arrecadados com nosso suor e consumo de cada dia!) na educação. E não por falta de recursos, pois estes existem, mas são as etapas que as verbas têm que seguirem, e como sabemos, existem muitos corruptos no meio do caminho desses recursos.

E os resultados desse descaso são:
Escolas abandonadas, sem condições de oferecer o mínimo possível de higiene, segurança, merenda entre outras coisas!

Sobre as pessoas que fazem algo "isolado" pela educação, como o Huck. É muito louvável. Mas, não é sufiente. Penso que esse tipo de estímulo só serve para revelar "guereiros", "heróis", seja lá o adjetivo que for. Pois, uma criança que consegue sair lá da zona rural e disputar em um programa ao vivo de nível nacional com candidatos que na maioria vêm de boas escolas, essa criança é uma vitoriosa, acima da média. E cá entre nós, nossa média não é tão orgulhosa assim!

Acredito, que um dia, nosso país terá uma qualidade melhor não só na educação, mas, também nas outras áreas básicas.

E aí, quem sabe, não precisaremos aplaudir e até mesmo se emocionar na frente da tv, quando uma criança com pouco mais de 12 anos soletrar palavras de seu idioma sem errar. Atividade que deveria ser dominada por 101% das pessoas de qualquer país do mundo.

Precisamos ter um pensamento mais amplo. E não focar em apenas algumas qualidades básicas. Nossa educação é deficiente em tudo, leitura, escrita e FALAR.

E sobre o que estou fazendo:

Prefiro não fazer nada inútil agora, para depois poder contribuir em alguma coisa que realmente sei que irá resolver!

EWERTON ANTONIO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E INTERPESSOAL disse...

Amo esses casos. É engraçado ver como o povo "se faz entender" no dia-a-dia. Podemos rir, criticar, mas é assim que as pessoas se comunicam na realidade social do nosso país.

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E INTERPESSOAL disse...

Não existe qualquer duvida de que esses erros acontecem por um único motivo, nossa educação que é falha.
As escolas de hoje não oferecem uma boa educação, com professores mal pagos, e insatisfeitos, não ha educação que consiga alfabetizar as crianças que estão freqüentando as nossas escolas.
Com tudo só nós resta ver ao andar nas ruas, erros e mais erros, que no final não passa informações nenhuma.
Nossos governantes deveriam ver isso e combater, através de programas que estimula-se a todos a importância dos estudos na nossa vida, para que isso possa ser controlado e futuramente corrigido.

Sansão Luna de Santana

Paulo Victor Portela disse...

Esses erros são tão frequentes que achamos até engraçado mas não é, isso é o reflexo da educação que o país tem hoje.E hoje com o marketing voltado nessa comunicação urbana, esses erros são encontrados até em médias empresas. Esses acontecimentos estão num crescimento muito forte, pois como foi citado no texto, crianças do interior, trocam a educação escolar pelo trabalho infantil, e na maioria das vezes são até obrigadas a isso.E sem educação nenhuma, sem conhecimento da lingua portuguesa, crescem sem saber nem ler e escrever, essa é a raiz desse problema.

Lúcia disse...

Uma das conseqüências mais claras na vida destes jovens trabalhadores é a evasão escolar. Muitos deles não conseguem conciliar a longa jornada de trabalho (muitas iniciam-na durante a madrugada e entram pela noite) com os estudos. O resultado é o abandono da escola e os que permanecem têm uma significante queda no rendimento. De acordo com um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), no Brasil, entre 2005 e 2006, aproximadamente 400 mil crianças do Semi-árido deixaram de freqüentar a escola por conta de problemas relacionados ao trabalho infantil precoce na região.



Gilvan Lapenda Neto

Comunicação e Censura disse...

Ao ver as imagens com as palavras erradas,não acreditamos, ou até mesmo achamos ridículo e rimos de uma coisa que é muito sério,pois precisamos dimunuir o analfabetismo no país e melhorar a qualidade do ensino público,pois o futuro do nosso país, e de algumas cidades, podem estar nas mãos de algumas dessas pessoas que não sabem nem escrever direito. É preciso que seja feita alguma coisa por isso, e como o próprio Luciano fala no fim do texto, um desses incentivos pode ser o soletrando, pois faz com que as crianças, de escolas públicas, se esforcem mais para conseguir ganhar o prêmio oferecido pelo programa.Porém esse incentivo deveria vir do governo e não só para alguns poucos alunos, mas para TODOS.
Parabéns pelo texto.

BÁRBARA CARRAZZONE

Palavras de Hermes disse...

A linguagem coloquial, informal ou popular é a linguagem popular, usada no cotidiano. Nem sempre segue a norma culta, podendo apresentar arcaísmos ou erros gramaticais. Embora não recomendável em documentos, mas não considerada errada, foi incorporada à literatura moderna e é normalmente adotada pelos meios de comunicação de massa e em livros infanto-juvenis e livros de muitos diálogos. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Depois de ler sobre o que significa linguagem coloquial, gostaria de deixar bem claro que os erros ocorrem e a necessidade de uma boa educação existe. Porém essa variação lingüística é a forma que muitos conseguem se comunicar e por incrível que pareça eles estão mais do que certos, pois a comunicação é totalmente voltada para o seu público.
O texto ficou muito solto e o último exemplo dado por Luciano de benfeitorias foi o quadro Soletrando de Luciano Huck, onde as crianças são incentivadas a participar visando um prêmio. Porém Luciano Huck deu uma bola fora chamando alguns atletas brasileiros para participar e ajudar ao criança esperança. O intuito foi ótimo de conciliar esporte e educação, alguém assistiu a final?? Foi triste! Ver a tri atleta Fernanda Keller soletrando esperteza. Foi assim: EX- PER- TE- ZA com “X” e não parou por aí teve mais... FI-LÂN-DÊ-ZA, quando o certo seria finlandesa. Esse tipo de ação não estimula ninguém, ao contrário. E pra finalizar, o texto termina com uma pergunta: e você, o que esta fazendo? Voltando ao exemplo dado anteriormente do soletrando, só tenho uma coisa a dizer... Se não sabe como melhorar uma situação não piore!

Tâmara Lima

Anônimo disse...

Concordo com o luciano nesse quesito da gráfia, mais ainda toco em outro ponto como o erro MENTAL onde pessoas formadas fazem propaganda de onde sem querer criam uma pérola... um exemplo para isso, uma campanha no banco BMG para financiamento de carro onde o slogan era QUEM ANDA PRA TRÁS É CARANGUEIJO... carangueijo andando pra tras e ser humano subindo pra cima... Falta de estudo ou erro humano??



José Neves Cavalcanti Neto

Palavras de Hermes disse...

A educação brasileira realmente esta caótica, mais não podemos dizer que a culpa é só do governo, ele tem sim uma grande parcela de culpa, mais existe um conjunto de motivos, são muitos os pais que não estudaram e acham que isso não tem necessidade “estudar pra que, tem mesmo é que trabalhar para ajudar em casa ”, li um texto em que o pai de uma menina falou que não deixava a filha ir a escola para não aprender a lê e não escrever carta para o namorado, e ai é ou não é uma ignorância desse pai? Temos também professores que são mal remunerados e não estimulam as crianças a irem a escola, acho também que esses incentivos que o governo oferece não são muito válidos, a bolsa escola por exemplo, já vi um caso de uma mãe dizer que quanto mais filhos tivessem mais ganharia dinheiro do governo (ela já estava no 6º filho, só para ter uma idéia), é tanta falta de consciência que não quer saber se a quantia oferecida pelo governo dá para manter a criança durante o mês, existem muitos outros motivos que levam a educação a essa decadência que esta hoje, só mesmo aquelas crianças que tem muita força de vontade é que se destaca nessas situações.

Por: Joelma Fagundes

Marina disse...

A comunicação urbana pode refletir as características sociais de uma população. Qaundo transmitida por meio de anúncios simples, muitas vezes elaborados manualmente pelos próprios fornecedores do produto ou serviço, com certeza traz ás vistas o nível precário da educação em nosso país.
O mesmo tema, ao ser abordado no âmbito publicitário/propaganda demonstra que aos olhos de uma pessoa culta, as propagandas que contêm erros gráficos, invés de promover, denigre a imagem do produto. Pois leva à dúvida quanto a qualidade do que está sendo anunciado através do pensamento: "se a maneira como é escrito o anúncio é errada, imagina-se que a qualidade do serviço também não será perfeita". Desta forma observa-se o quão é importante utilizar formas de comuncação corretas e objetivas.

Marina A. Baptista

EcoHabitat disse...

O tema do nosso colega Luciano é pertinente e atual.É lamentável,que apenas em tempos de eleição,é que a educação seja defendida com tanta veemência por esses caras de pau,que levantam a bandeira da erradicação do analfabetismo.Já estamos cansados de ver nas ruas crianças sendo exploradas de forma vergonhosa pelos próprios familiares;elas devem ficar na escola,brincar.Parece q a classe política quer ver essa exploração infantil perpetuada,porque povo burro e ignorante é mais fácil de comandar!

Juliana Albuquerque.

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E INTERPESSOAL disse...

São tantos os motivos que levam a essa questão da educação em nosso país, que teríamos muitos temas a serem abordados. A falta de investimento nos salários de professores seria uma delas. Professores cada vez menos motivados reflete na falta de respeito com os alunos.
Kátia d'Assunção.

SICILIA disse...

Bem lembrado o teu tema, hoje em dia é comum vermos "beldades" da língua portuguesa estampadas em propagandas inclusive as de candidatos a eleição e como você disse isso tudo é um reflexo de como anda a educação em nossa sociedade e tem gente que diz que tudo está as mil maravilhas!!!!


Sicilia Lima.

EcoHabitat disse...

Ótimo texto. Os altos índices de analfabetismo no Brasil têm "n" motivos, desde a falta de investimento na educação de base até a situação econômica do país, onde as conseqüência são desde a desmotivação de professores até a evasão de alunos devido a dupla jornada - trabalho, escola. Mas, se a sociedade começar a exigir seus direitos esta situação pode mudar para melhor.

Leônidas Silva de Matos

Comunicação interna nas organizações disse...

Esses tipos de erros gráficos, podem ser observados diariamente pela cidade. E isso é um assunto muito sério, pois está relacionado a educação da população brasileira. Mas infelizmente, este "probleminha de erros gráficos" não pode ser resolvido de maneira simples. Isso porque envolve vários aspectos, como já foi citado em alguns comentários acima.
Jeane Brainer