domingo, 28 de setembro de 2008

Descontrole Mídia Exterior


Todo o tipo de mídia efetuada em ambiente externo, público ou privado, contanto que seja visível do espaço público, pertence a classificação de mídia exterior. Alguns dos exemplos mais comuns são os cartazes, outdoor, banners, totens, placas, luminosos, os quais, na maioria das vezes, dispostos em ambiente urbano, especialmente em centros comerciais e de serviços. É preciso não esquecer ainda de outras formas de anúncios que vêm sendo também muito utilizados, os anúncios " em movimento" aplicados nos ônibus (backbus/outbus) e táxis. O quantitativo de mídias exteriores aumentou muito rapidamente. Observamos claramente o acréscimo de propagandas em nosso dia-dia. Devido a grande leva de anúncios acabou-se por criar um problema, a poluição visual. Caracterizada pelo excesso de elementos ligados à comunicação externa. Ocasiona desconforto visual e espacial naqueles que transitam pelos locais enxarcados de propagandas. O amontoado de informações dificulta a visibilidade por parte dos receptores, que muitas horas se confundem devido a proximidade dos anúncios. Este excesso ainda deixa as cidades "camufladas", desvalorizando seus traços culturais e tornando-as apenas um espaço de promoção das trocas comerciais. Já existem leis que regulamentam a comunicação externa, mas a falta de uma fiscalização rigorosa é evidente. Observa-se assim que a existência de mídias exteriores não é o problema, e sim o seu descontrole.



Marina A. Baptista

12 comentários:

Palavras de Hermes disse...

A região metropolitana do Recife de uma forma geral já é poluída, esta é só mais uma forma de poluir a cidade. Na maioria das vezes, isso acontece porque não é feito um estudo para direcionar a propaganda. Simplesmente usam os veículos de comunicação em massa para espalhar sua marca. Marina poderia ter citado o momento em que estamos, o período de eleições. Nossos próprios candidatos espalham seus rostos pela cidade, eles deveriam condenar essa prática e fazer valer as leis, coordenando para que haja uma publicidade limpa e de qualidade. Aproveitando o momento, no dia 5 de outubro vote consciente, nossa cidade precisa mudar.

Tâmara Lima

Palavras de Hermes disse...

Concordo com Marina quando ela fala que a comunicação exterior saiu do controle e virou poluição visual.Realmente o que se vê são um monte de informações que muitas vezes só confundem as pessoas, além de poluir as cidades...

EcoHabitat disse...

Concordo. Com a popularização da mídia exterior aconteceram alguns atropelos. Esse descontrole acarretou em poluição visual e até mesmo sonora e quando há a junção das duas poluições não existe mais comunicação pois diversos ruidos atrapalham o bom entendimento da mensagem. Um exemplo disso é o centro do Recife nos meses de fetas, tais como: Natal e Ano Novo.

Leônidas Silva de Matos

Arthur Lemos disse...

É de fato, triste ver que mesmo possuindo leis reguladoras, não se têm a fiscalização adequada para conter o problema. Tâmara citou que mesmo em época de eleições, as pessoas que estão dispostas a melhorar a cidade estão contribuindo com a poluição visual. Não acho que a coisa deveria ser limitada, mas sim controlada. Nada em excesso faz bem.
Assim, concordo plenamente com a Marina; as mídias exteriores não são o problema, sim seu descontrole. Seria impossível viver hoje, sem anúncios e propagandas. Mas do jeito que o acesso a estas mídias vêm sendo facilitado, e da forma com que este veículo vem crescendo, vamos nos deparar com cidades-propagandas.


Arthur Lemos

luciano almeida disse...

Marina enfatizou a questão da poluição visual, que sem dúvida é um tema bastante polêmico, dada a sua complexidade, podemos partir dos seguintes questionamentos: Como coibir os excessos?
Qual a forma correta de organizar estas comunicações sem privilegiar alguém?
Como enquadrar o que já existe em um modelo futuro?
Quem pagará a conta?
É realmente difícil encontrarmos respostas, mais devemos sempre questionar os modelos existentes como forma de buscarmos alternativas.

Luciano Almeida

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E INTERPESSOAL disse...

a midia exterior e muito utilizada nas grandes cidades e tambem e verdade na maioria da vezes sem controle quem nunca viu nos muros do recife cartazes de festas. nas pontes, viadutos um em cima do outro nem dar pra ver o que realmente quer mostar . fora os outdoor entre outras formas.
Eu acredito que esse tipo de midia E muito eficaz so basta ter um controle maior para na ocorrer a poluição visual.
keyson

Comunicação interna nas organizações disse...

A comunicação exterior é de grande importância para que as empresas divulgue o seu serviço ou trabalho. Mas concordo que essa prática está descontrolada. Deveria ter alguma norma que organizasse melhor essa prática. Pois são tantas informações próximas uma das outras, que acabam confundindo o objetivo final para o leitor.
Jeane Brainer

EcoHabitat disse...

A propaganda é a forma que as empresas tem de mostrar o seu produto e chamar a atenção dos mesmos à comprar.Mais se um dos meios são as propagandas em outdoor e elas estão ocasionando uma poluição visual ou teria um limite de outdoor que poderiam ser colocados nas ruas ou então se deixaria de fazer propagandas utilizando este meio de comunicação.

Hémila Tamar

Comunicação interna nas organizações disse...

Esse tipo de propaganda nas ruas tem a função de atrair a atenção de várias pessoas, tornando-as talvez, futuros consumidores dos produtos exibidos. Porém, a falta de controle dessa veiculação, como citada no texto, resulta numa poluição visual que nos deparamos no cotidiano. Não estou a par do conteúdo da Lei que regula essa publicação, mas acho que deveria ser permitida a publicação apenas em locais estratégicos da cidade, o que tornaria mais fácil o controle dos mesmos, já que reduziria os diversos pontos existentes atualmente.

Vítor Mello

Vaneska Vasconcelos disse...

Como exemplo de Mídia Exterior, os outdoors, escondem também a pobreza em muitos lugares da região metropolitana, podem-se observar verdadeiros paredões de propagandas e por traz deles as favelas e lixos espalhados. Assim,acabam por camuflar a realidade da situação de exclusão social.
Boa colocação Marina!

Vaneska Vasconcelos.

Anônimo disse...

Realmente, Não existe fiscalização competente nesse sentido da poluição visual. Basta você passar na Herculano Bandeira verá o que é POLUIÇÃO VISUAL. Basta esperarmos providências serem tomadas.


José Neves Cavalcanti Neto

Comunicação interna nas organizações disse...

Concordo com o que foi exposto no texto e acrescentaria o fato de que a cidade além de ficar escondida por trás dessas propagandas se torna feia, o excesso dessas propagandas tornam o nosso meio ou o espaço onde transitamos no dia-a-dia mais uma fonte de renda, quando na realidade era para ser a cidade onde moramos e só. Concordo também quando a autora diz que não é preciso acabar com a divulgação externa e sim regulariza-la e se faz necessária uma fiscalização intensa para os prjetos que forem aceitos se fazerem cumprir na prática.

Samuel Mattos